unravel-poster-406x2701

 

Cerca de 100 mil toneladas de roupas usadas, provenientes sobretudo dos Estados Unidos, da Europa e do Extremo Oriente, chegam anualmente a Panipat, no norte da Índia, talvez o maior polo de reciclagem de têxteis do mundo. Uma fração dos vestimentos doados para instituições de caridade e que não encontram comprador são vendidas para 300 empresas  baseadas na cidade, que desmantelam as peças, removem botões e zíperes e esgarçam o tecido para recuperar as fibras. Estas voltam, então, para o processo industrial para serem convertidas em cobertores cinzas, baratos e de baixa qualidade – do tipo que vemos embalando mendigos nas ruas do Brasil e que traz na etiqueta referência à sua “composição desconhecida”.

O curto documentário  “Unravel”, da diretora e produtora Meghna Gupta, explora este universo e dá voz a uma das trabalhadoras dessa indústria, Reshma, mulher carismática e inteligente que especula sobre aqueles que vestiram e descartaram roupas perfeitamente aproveitáveis, numa crítica irreverente ao consumismo e à obesidade voluntária. “Unravel” mostra o olhar voyeur dos que vivem fora da sociedade de consumo e que tentam entender sua lógica. Confira a produção no trailer ao lado, legendado em inglês, e na íntegra, aqui.

Num dos melhores momentos do curta, uma das recicladoras especula: “talvez eles [os ricos, os ocidentais] não possam lavar suas roupas porque a água é cara demais [onde eles moram]”. Outra diz que  o mais provável é que as pessoas simplesmente não gostam de lavar roupas nos países ricos. Uma terceira lamenta, o destino das pobres mulheres obrigadas a vestir roupas que, na sua opinião, são insensatas e sem pé nem cabeça, cheias de miçangas e pedrarias. Reshma, o fio condutor, ri das calças onde caberiam 4 mulheres indianas com folga.”O que essas pessoas comem para ficarem tão gordas?”, pergunta, gargalhando.

O documentário vale, principalmente, pela possibilidade de nos ver pelos olhos dos outros e para repensar os rumos da fast fashion, a moda feita para durar apenas uma estação, alimentada pela mídia e pelos nossos desejos fugazes.

 

Originalmente publicado em: http://www.pagina22.com.br/2015/05/19/onde-as-roupas-vao-para-renascer/